quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Aposentado compra apartamento vizinho para montar uma biblioteca

Antoine, de 78 anos, comprou apartamento em Santos para guardar obras.

Aposentado acabou se especializando e gosta de debater história.

Guilherme LucioDo G1 Santos
Um aposentado de Santos, no litoral de São Paulo, vive, literalmente, cercado de livros. Antoine Abdid, de 78 anos, precisou comprar o apartamento vizinho para conseguir guardar um acervo de cinco mil livros adquirido ao longo de toda a vida.
Abdid explica que não foi fácil comprar o apartamento ao lado. "Meu vizinho queria alugá-lo, mas não adiantava. Eu precisava de um lugar fixo para guardar meus livros, eu estava irredutível. Conversei com um dos filhos dele, que convenceu o pai", disse.
Segundo o aposentado, a biblioteca não é pública. "É difícil você emprestar livros para pessoas que você não conhece. Para os meus amigos e conhecidos, até empresto alguns, pois acho importante a leitura e o acesso a ela. O acervo que tenho é pessoal", conta Abdid.
Seo Antoine, que nasceu em Damasco, capital da Síria, explica que sua paixão por livros começou em São Paulo. “Eu parei de estudar no colegial. Porém, na minha época existia muito debate sobre política, história, economia e religião. Isso aguçou a minha curiosidade. Foi assim que comecei a recorrer aos livros”, explica.

Ainda na adolescência, Antoine se mudou para o bairro José Menino, onde vive atualmente. No início, ele contava com apenas 30 obras. Hoje, sua biblioteca particular possui milhares de livros de história, religião, filosofia e antropologia.
Aposentado comprou apartamento ao lado para guardar livros (Foto: Guilherme Lucio/G1)Aposentado comprou apartamento ao lado para guardar livros (Foto: Guilherme Lucio/G1)
O aposentado conta que marca cada livro com uma etiqueta. “Leva um certo tempo e dá trabalho. Tiro uma cópia da capa e colo na parte lateral. Além disso, vou a sebos e pego capas reforçadas que foram descartadas para colocar nos exemplares”, diz.
Além dos livros, o idoso também coleciona algumas centenas de DVDs. "Isso me mantém ativo. Mesmo com uma certa idade, precisamos nos manter ativos e fazer algo que gostamos. E os livros são a minha paixão", afirma.
“Marx era igual a Jesus Cristo. Acreditava que o homem era bondoso, misericordioso"
Antoine Abdid,
78 anos
Comunismo
Antoine se diz um homem apaixonado por história, que considera fundamental na vida do ser humano. “Nós precisamos conhecer a nossa história. Precisamos saber o que aconteceu no passado, quais foram os erros e quais foram os acertos. Não entendo como as escolas de hoje têm tão poucas aulas de história”, afirma.
Católico apostólico romano e ex-comunista, o aposentado explica o motivo pelo qual acredita que o sistema não deu certo. “A Rússia, que foi onde o comunismo teve ínicio, não era um país preparado para esse sistema. Talvez, se o primeiro país a implantar o comunismo tivesse sido a França ou a Inglaterra, ele poderia ter dado certo. Karl Marx era igual a Jesus Cristo. Acreditava que o homem era bondoso, misericordioso. Mas, na vida real, as coisas não funcionam bem assim. O homem é mau, vive conspirando, só pensa no próprio bem estar. O homem é o lobo do homem”, desabafa.
Antoine também tem uma teoria sobre o início das religiões. "Tudo teve início no Egito. Foi lá que as religiões, próximas ao que conhecemos hoje, tiveram início. Depois foi para a Grécia e o Oriente", diz.
Para Antonie, Karl Marx pensava como Jesus Cristo (Foto: Guilherme Lucio/G1)Para Antoine, Karl Marx pensava como Jesus Cristo (Foto: Guilherme Lucio/G1)
Mein Kampf
Livro de Hitler faz parte da coleção do aposentado (Foto: Guilherme Lucio/G1)Livro de Hitler faz parte da coleção do aposentado
(Foto: Guilherme Lucio/G1)
Dentre os milhares de livros de seu acervo, Antoine tem alguns exemplares mais "exóticos", outros raros, como uma das primeiras edições do livro de Adolf Hitler, Mein Kampf (Minha Luta, em português). Antes de tocar no assunto, ele preferiu deixar algo bem claro. "Muitas pessoas associam o livro ao nazismo. Eu sou uma pessoa apaixonada por história e por livros de história. Não quero que confundam as coisas", enfatiza. O aposentado explica que leu apenas parte do livro. "Não cheguei ao final, mas achei interessante", diz Abdid.
Sobre o regime alemão implantado durante a 2ª Guerra Mundial, Antoine explica que o regime foi "útil" para a Alemanha. "É lógico que houve problemas, mas a Alemanha conseguiu se reerguer. O objetivo principal era conquistar a Europa, como Napoleão também tentara, e não conseguiu", conclui
Aposentado tem livros por todo o apartamento (Foto: Guilherme Lucio/G1)Aposentado tem livros por todo o apartamento (Foto: Guilherme Lucio/G1)Fonte: www.g1.globo.com em 14.10.2014